A Caxemira nas Relações Índia-Paquistão: Perspectivas Política Nuclear do Paquistão, Antecedentes e Desenvolvimento Rumo à resolução de conflitos

  • Ahsan Alesar University of Karachi
Keywords: Caxemira nas relações Índia-Paquistão, política clara do Paquistão.

Abstract

O conflito entre Índia e Paquistão sobre o problema da Caxemira ainda parece ser um obstáculo em suas relações. Já se passaram 58 anos desde que a disputa passou, mas não há um acordo final que possa ser aceito por ambas as partes. Se 1947 é o dia da independência da Índia e do Paquistão, então esse ano é o início do sofrimento do povo da Caxemira. O Paquistão, como o partido que tem o direito de fazer da Caxemira como parte de seu território, sente a necessidade de continuar a levantar essa questão, embora tenha que desenvolver a energia nuclear.

References

Holsti, K.J., International Politics: Framework for Analysis (language translation by M. Thahir Azhary), Erlangga, Jakarta, 1988.

Mashad, Dhurorudin, Kashmir: Unending Suffering, Khalifa, Jakarta, April 2004.

Bennnett Jones, Owen, Pakistani Eye of Storm, Maktaba Jadeed Press, Lahore, 2002.

Rudi, T. May, Contemporary International Relations and Global Problems: Issues, Concepts, Theories and Paradigms, PT Refika Aditama, Bandung, 2003.

Weissman, Steve and Herbert Krosney, The Islamic Bomb, Times Books, New York, 1981.

Ghautier, David, Nuclear Deterrence; Ethic & Strategy, The University of Chicago Press, Chicago, 1985.

Griffith, Martin and Terry O'Callaghan, International Relations: The Key Concepts, Routledge, New York, 2002.

Akhtar, Rafique, Pakistan Year Book: 1991-1992, Alamgir Package, Karachi, 1993.

Synnott, Hillary, The Causes and Consequences of South Asia’s Nuclear Test, Oxford University Press, New York, 1999.

Matinuddin, Kamal, India-Pakistan Standoff, Regional Studies No. 3, Vol. XXI, summer 2003.

Published
2021-07-12
How to Cite
Ahsan Alesar. (2021). A Caxemira nas Relações Índia-Paquistão: Perspectivas Política Nuclear do Paquistão, Antecedentes e Desenvolvimento Rumo à resolução de conflitos. International Journal of Science and Society, 3(3), 119-130. https://doi.org/10.200609/ijsoc.v3i3.359