A Independência Real das Agências Reguladoras no Brasil

  • Paulo Soares Sampaio Universidad de Los Lagos, Chile
Keywords: regulação; agências reguladoras; independência formal; independência real; Brasil.

Abstract

O artigo busca analisar a independência formal e a independência real das agências reguladoras no Brasil, nos diversos aspectos que a estruturam. Metodologia/abordagem/design – A análise apoia-se nas perspectivas histórica, doutrinária e institucional de direito comparado para a construção dos conceitos de regulação e agências reguladoras, abordando as questões da legitimidade e controle desses entes em um Estado Democrático de Direito. O estudo conclui que o transplante das estruturas legais que dão suporte à independência das agências reguladoras tem baixa eficácia frente às culturas normativa e política pré-existentes, o que poderá levar à redução de sua independência real. se que este artigo possa apoiar o trabalho de pesquisadores interessados nas relações das teorias da regulação com o histórico das agências reguladoras no Brasil. O artigo sintetiza conceitos relativos à regulação e às agências reguladoras, e sua evolução nos Estados Unidos e no Brasil, com foco nas questões de sua independência formal e real. As recentes propostas de modificações normativas e o dilema que se estabelece entre a independência das agências reguladoras e a agenda do Governo Federal são também apresentados.

References

1. AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Regimento Interno do Conselho Consultivo. Brasília: ANATEL, 2002.
2. AGUILLAR, F. Controle social de serviços públicos. São Paulo: Max Limonad, 1999.
3. AMATO, G. Autorità Semi-Indipendenti ed Autorità di Garanzia. Rivista Trimestrale di Diritto Publico, p. 645-664, 1997.
4. AMERICAN CHAMBER OF COMMERCE BRASIL. Relatório sobre a Agência Nacional de Telecomunicações - 2010. Disponível em: http://www.amcham.com.br/repositorio-de-arquivos/relatorio-anatel-2010. Acesso em: 11 de março de 2013.
5. BRESSER-PEREIRA, L. C. Reforma do Estado para a cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. São Paulo: Editora 34, 1998.
6. CAVALCANTI, F. A independência da função reguladora e os entes reguladores independentes. Revista de Direito Administrativo, no 219, jan./mar. 2000.
7. CUÉLLAR, L. O Poder Normativo das Agências Reguladoras Brasileiras (Tese de Doutorado). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2000.
8. MELLO, C. A. Curso de direito administrativo. 14ª ed., São Paulo: Malheiros, 2002.
9. MELO, M. A. A Política da Ação Regulatória: Responsabilização, Credibilidade e Delegação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, n. 46, p. 55-68, junho 2001.
10. MILL, J. S. O governo representativo. São Paulo: Ibrasa, 1983.
11. MONTESQUIEU (Charles de Secondat, Baron de). O Espírito das Leis. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
Published
2021-06-30
How to Cite
Paulo Soares Sampaio. (2021). A Independência Real das Agências Reguladoras no Brasil. International Journal of Science and Society, 3(3), 21-29. https://doi.org/10.200609/ijsoc.v3i3.349